JM AUTO TINTAS - JOÃO MARIA M DE SOUZA - ME
Comércio - TINTAS AUTOMOTIVAS
(91) 3754-0513 / 9918-6219 / 81524-298 -
AV. FRANCISCO VINAGRE, QD 229, LOTE 02, SN - - Barcarena / Pará / Brasil - CEP
Falar com JEFFERSON SMITH
TIPOS DE PINTURA - COMO PREPARAR A CARROCERIA PARA PINTURA - DICAS PARA PINTURA AUTOMOTIVA - SOLUCIONANDO PROBLEMAS -

TIPOS DE PINTURA IMERSÃO

Vantagens:

  • Cobertura de tinta em locais de difícil acesso (Cantoneiras , Curvas etc..)

  • Melhor acabamento nestas áreas

    Desvantagens:


  • Escorrimento

  • Desperdícios

  • Volatilização (do solvente e da tinta)

    PINCEL

    Vantagens:


  • Custo ( Não Necessita Equipamentos Especiais ) Compressor / Pistola / Filtro de Ar.

    Desvantagens:


  • Riscos das Cerdas ( Imperfeições na Pintura )

  • Desperdício de Tinta

  • Acabamento não Uniforme

    ROLO

    Vantagens:


  • Custo ( Não Necessita Equipamentos Especiais ) Compressor / Pistola / Filtro de Ar.

  • Pinturas em Parede com Latex ( Mais Adequada )

    Desvantagens:


  • Desperdício de Tinta

  • Espirros de tinta na aplicação

  • Não cobertura de cantos

    PISTOLA ( Pulverização Convencional )

    Vantagens:


  • Alinhamento na Aplicação (Ordenação das Partículas de Tinta)
  • Uniformidade na Aplicação

  • Menor Desperdício de Tinta

  • Tempo Reduzido na Aplicação

    Desvantagens:


  • Custo ( Necessidade de Compressor de Ar,( Filtro, Pistola, Local Adequado, Etc...)

  • Névoa na Aplicação (Poluição)

  • Manutenção dos Equipamentos

    ELETROSTÁTICA

    Vantagens:


  • Uniformidade na Aplicação

  • Melhor Aproveitamento da Tinta (Reutilização)

  • Melhor Acabamento das Peças

  • Maior resistência da Pintura

  • Pintor ( Sem Necessidade de Qualificação)

    Desvantagem:


  • Custo : Necessidade de Compressor de Ar, Filtro de Ar, Cabina de Pintura (para retenção do pó) e Estufa (para a cura da tinta)

  • Manutenção ( Pessoa qualificada , Assistência Técnica Autorizada)

    COMO PREPARAR A CARROCERIA PARA PINTURA

    O resultado final do processo do trabalho da repintura automotiva depende, em primeiro lugar, de uma perfeita preparação de superfície.

    Por que é importante preparar a superfície.

    Muitos dos produtos que são utilizados durante a preparação de superfície são promotores de aderência e possuem propriedades anticorrosivas. Para que os produtos que serão utilizados depois da preparação, como as tintas e os vernizes, tenham boa aderência e não apresentem problemas, é fundamental que o trabalho de preparação da superfície seja bem feito. A aplicação de produtos como o Wash Primer é fundamental para que a chapa receba a proteção contra a corrosão, um problema que deriva originalmente da preparação inadequada ou até mesmo da não-preparação.

    Produtos e equipamentos específicos para a preparação da superfície.

    Para realizar a preparação de superfície é necessário: Flanelas, Lixas (números 180,320,400,600), Taco de borracha, Pistola de pintura. Produtos: Desengraxante, Thinner, Wash Primer, Primer.

    Etapa anterior a preparação

    Caso haja necessidade, existe a remoção da tinta através do lixamento ou da aplicação do Removedor Pastoso.

    A preparação é feita seguindo alguns procedimentos:

    1) O primeiro passo inicia-se assim que o carro chega a oficina, que é a retirada da tinta que possui algum problema, como trincamento, em virtude de ter amassado a lataria, ferrugem, etc.. Essa retirada é feita utilizando-se Removedor Pastoso. Deve ser aplicada uma camada alta do produto com um pincel. Durante a aplicação é necessária a utilização dos Equipamentos de Proteção Individuais (EPI) : mascara, 6culos e luvas. Não é recomendada a aplicação sobre peças quentes ou sob o sol. Em seguida, espera-se que o produto faça com que a tinta fique com o aspecto enrrugado (5 a 10 minutos). Quando se detecta que o produto esta agindo, iniciar a raspagem da tinta. Nota-se o aparecimento das camadas dos produtos que foram utilizados na primeira preparação de superfície. Terminada a raspagem, limpar a peça com Thinner para a retirada de resíduos do produto. (No caso de pequenos retoques a superfície não precisa da utilização do Removedor Pastoso, basta lixar com o auxilio do taco de borracha e lixa d’água 240).

    2) Lavar com água e sabão neutro para que a superfície esteja livre de impurezas solúveis em água, tais como: poeira, lama, etc. Este procedimento deve ser feito rapidamente pois a chapa pode oxidar-se; deve se enxaguar em seguida. Secar utilizando-se de ar comprimido, ou soprador térmico.

    3) Limpar a superfície com desengraxante para remover toda a oleosidade, graxa, etc.. Secar com uma flanela limpa. 0 desengraxante é um produto muito importante em todas as etapas da repintura de um carro pois ele é responsável pela limpeza da superfície. Caso haja alguma impureza durante a aplicação de algum dos produtos corre-se o risco de ter, no futuro problemas na pintura como oxidação, crateras, etc.

    4) Lixar com o auxilio de um taco de borracha e lixa d’água 180 no primeiro desbaste e em seguida lixar com lixa d’água 320 em movimentos circulares.

    5) Não deixar as superfícies expostas as intempéries (sol, vento, chuva, etc.), aplicar imediatamente uma demão esfumaçada de Wash Primer, previamente catalisado, com a pistola regulada em 40 a 50 lbs/pol. 0 Wash Primer é um fundo fosfatizante que possui propriedades anticorrosivas e promove a adesão dos demais produtos nos diferentes tipos de substratos. Pode ser utilizado em chapas de aço, galvanizados, alumínio ligas de cobre e correlatos podendo ser aplicado sobre ele qualquer tipo de acabamento.

    6) Aplicar Primer Nitro, que após a secagem deve iniciar lixando com lixa d’água 400 e terminar com lixa 600; 0 tempo de secagem é de: Ar: 30 a 40 minutos a 25 C Estufa: 10 minutos a 60 C

    7) Se for necessário, aplicar a Massa Rápida, para a correção de pequenas imperfeições que deve ser lixada, após a secagem com lixa d’água 240 ou 280.

    8) Aplicação do Controle de Lixamento.

    9) Aplicação, se necessária, nos locais onde necessitam a proteção contra batida de pedras, do Autoforce.

    Preparação e Durabilidade da Pintura

    Como já foi citado anteriormente durabilidade da pintura esta relacionada com preparação de superfície. A preparação correta, utilizando produtos de qualidade, é fundamental para que a pintura tenha uma boa durabilidade. Recomendamos também, além de preparação, a utilização de um sistema de pintura. Utilizar produtos e complementos sempre de um mesmo fabricante. Desde o Wash Primer até o verniz de acabamento é importante que todos os produtos sejam do mesmo fabricante pois eles já foram previamente testados e aprovados em diversas condições (intempéries). É importante também utilizar sempre os catalisadores e thinners para a diluição indicados para os produtos.

    DICAS PARA PINTURA AUTOMOTIVA

    Pinturas em Plásticos

    ·
  • Lavar cuidadosamente com água e sabão neutro.
    ·
  • Desengraxar utilizando Solução Desengraxante.
    ·
  • Lixar com lixa #600.
    ·
  • Desengraxar novamente, utilizando Solução Desengraxante.

    OBS.: Devido a problema de aderência em pinturas em plásticos, é aconselhado que se utilize Primer para Plásticos antes de iniciar a pintura.

    Pinturas em Chapas Metálicas

    ·
  • Lavar com água e sabão, secar com ar e lixar.
    ·
  • Limpar com Solução Desengraxante e secar com ar comprimido.
    ·
  • Aplicar Fundo Fosfatizante.
    ·
  • Caso haja imperfeições, corrigir com Massa Poliéster.
    ·
  • Limpar novamente com Solução Desengraxante. Aguardar a secagem e aplicar o Primer.
    ·
  • Aplicar o Controle de Lixamento e lixá-lo até removê-lo por completo. Limpar novamente com Solução Desengraxante, secar com ar comprimido e iniciar aplicação da tinta de acabamento.

    OBS.: O procedimento acima descrito refere-se para pintura em chapa metálica NUA. Para chapa metálica PINTADA, utilizar inicialmente o Removedor Pastoso e seguir o procedimento acima descrito.
    Evite realizar pinturas em ambientes com poeira.

    SOLUCIONANDO PROBLEMAS

    Diferença de Tonalidade

    Identificação: A repintura apresenta uma tonalidade diferente de pintura original. Causas: A pintura original de fábrica apresenta algumas variações e ainda sofre alteração na sua coloração, por ação da natureza e/ou por maus tratos. Isto significa que é natural ter que "acertar" a tonalidade da cor na hora da repintura. Mas é importante saber que o modo de como se aplica a tinta também influencia ( e muito) a tonalidade da cor.
    Os problemas mais frequentes ocorrem pelos seguinte motivos:

    ·
  • Uso de tintas com baixa viscosidade (tinta muito fina) ou com alta viscosidade (tinta muito grossa).
    ·
  • Falta de ajuste da pressão do ar, vazão da tinta, velocidade de aplicação e distância entre a pistola de pulverização e a superfície a ser pintada.
    ·
  • Número inadequado de demãos aplicadas: mais demãos (tonalidade mais escura), menos demãos (tonalidade mais clara).

    Correção: Utilizar a tinta de maneira correta, seguindo rigorosamente as instruções contidas na embalagem. Caso a cor ainda precise de ajuste, o acerto da tonalidade pode ser feito com o acréscimo de pigmentos na tinta.
    OBS.: Mexer bem a tinta antes de usá-la é o primeiro passo para evitar problemas de tonalidade. Em seguida, pinte um pedaço da chapa e compare com a cor do carro, antes de aplicar a tinta no veículo.

    Rachadura (Trincamento)

    Identificação: A pintura apresenta riscos ou cortes profundos. Causas:

    ·
  • Repintura feita sobre um base velha, já trincada.
    ·
  • Aplicação da Laca Acrílica sobre superfície pintada em Esmalte Sintético.
    ·
  • Aplicação da tinta sobre Primer inadequado.
    ·
  • Excesso da camada de Primer ou Massa.

    Correção: Decapar (raspar) as partes afetadas, preparar a superfície e repintar corretamente, conforme instruções descritas na embalagem do produto.

    Marcas de Lixa

    Identificação: Risco visíveis sobre uma superfície pintada.
    Causas: Lixamento feito com lixa de grana muito grossa
    Correção: Aguardar a secagem completa, lixar com lixa de grana mais fina e repintar corretamente conforme instruções descritas na embalagem do produto.

    Escorrimento

    Identificação: A tinta forma acúmulos em forma de um cordão (macarrão). Causas:

    ·
  • Aplicação com pistola de pulverização muito próxima da superfície a ser pintada e com movimentos muito lentos.
    ·
  • Excesso de tintas com alta viscosidade (muito grossa).
    ·
  • Uso de Thinner/Solventes inadequados.

    Correção: Aguardar a secagem completa, lixar as partes afetadas, preparar a superfície e repintar corretamente, conforme instruções descritas na embalagem do produto.

    Pintura Queimada (Calcinação)

    Identificação: A pintura fica fosca, sem brilho e com aparência ressecada. Causas: Basicamente há três fatores que causam a calcinação. Os dois primeiros são agressões externas, como:

    ·
  • Exposição do veículo ao sol durante muito tempo.
    ·
  • Lavagem do veículo com shampoo ou sabão muito forte
    ·
  • Já o terceiro fator pode ser considerado como uma agressão interna, que é o uso de Thinner/Solventes inadequados.

    Correção: Polir com Massa de Polir, até eliminar o defeito.

    Fervura

    Identificação: A pintura fica com aparência áspera, rústica e porosa. Causas:

    ·
  • Exposição do veículo pintado ao calor (estufa ou painel de secagem), antes de acontecer a evaporação dos solventes.
    ·
  • Aplicação de tintas sobre a peça quente.

    Correção: Decapar (raspar) as partes afetadas, preparar a superfície e repintar corretamente, conforme as instruções descritas na embalagem do produto.

    Bolhas

    Identificação: Algumas partes da pintura se enchem de ar formando bolhas.
    Causas:

    ·
  • Exposição do veículo pintado, ao calor (estufa ou painel de sevagem), antes de acontecer a evaporação dos solventes. Isto ocorre principalmente quando da aplicação excessiva Primer ou Massa (camada muito grossa).
    ·
  • Existência de umidade na superfície a ser pintada.
    ·
  • Presença de água na magueira ou no compressor.

    Correção: Decapar (raspar) as partes afetadas, limpar a superfície e repintar corretamente, conforme as instruções descritas na embalagem do produto.

    Manchamento na Cores Metálicas

    Identificação: O manchamento da pintura é identificado visualmente, em função de concentração de alumínio em pequenas áreas.
    Causas:

    ·
  • Falta de ajuste da pressão do ar, vazão da tinta (aplicação muito carregada), velocidade e/ou distância inadequadas entre a pistola de pulverização e a superfície a ser pintada.
    ·
  • Quantidade muito grande de retardador adicionado à tinta (no caso de Laca Acrílica).
    ·
  • Presença de água na mangueira ou no compressor.

    Correção: Decapar (raspar) as partes afetadas, limpar a superfície e repintar corretamente, conforme as instruções descritas na embalagem do produto.

    Falta de Aderência

    Identificação: A tintas se destaca da superfície pintada, em forma de placas. Causas:

    ·
  • Limpeza inadequada da superfície a ser pintada.
    ·
  • Falta de lixamento da pintura original.
    ·
  • Uso de Thinner/Solventes inadequados.

    Correção: Remover as camadas soltas e repintar conforme instruções descritas na embalagem do produto.

    Cratera (Olho de Peixe)

    Identificação: A ausência de tintas em pontos onde existem impurezas provoca o surgimento de crateras com aparência de olho de peixe. Causas:

    ·
  • Limpeza inadequada da superfície a ser pintada (é necessário lavar o carro com detergente).
    ·
  • Uso de ceras polidoras que contenham silicone ou substâncias graxas.
    ·
  • Contaminação das roupas por silicone ou substância graxas.
    ·
  • Óleo no compressor.
    ·
  • Cristalização.

    Correção: Decapar (raspar) as partes afetadas, preparar a superfície e repintar corretamente, conforme instruções descritas na embalagem do produto.

    Casca de Laranja

    Identificação: A pintura fica com aparência granulada, semelhante à casca de laranja.
    Causas: Este problema é causado por descuido na hora da aplicação. Os fatores que influenciam são:

    ·
  • Pintura realizada em ambientes muito quente.
    ·
  • Alta viscosidade da tintas (muito grossa).
    ·
  • Uso de Thinner/Solventes inadequados.
    ·
  • Falta de ajuste de pressão do ar, vazão da tinta, velocodade de aplicação e distância entre a pistola de pulverização e a superfície a ser pintada.

    Correção:

    ·
  • Casos Simples: Após a secagem da tinta, polir com Massa de Polir.
    ·
  • Casos Graves: Após a secagem da tinta, lixar a pintura até obter uma superfície lisa e repintar corretamente conforme instruções descritas na embalagem do produto.

    Branqueamento

    Identificação: A pintura fica com aparência leitosa e sem brilho, logo após a aplicação
    Causas: Este é um problema que pode ocorrer com a Laca Nitrocelulose ou Laca Acrílica. Estas tintas utilizam Thinner/Solventes de evaporação muito rápida, que em ambientes muito úmido pode ocasionar o branqueamento. É por isso que este problema ocorre com mais frequência em dias frios e chuvosos. Correção:

    ·
  • Casos Simples: Após a secagem da tinta, polir com Massa de Polir.
    ·
  • Casos Graves: Após a secagem da tinta, lixar a pintura e aplicar 2 demãos cruzadas do acabamento. Adicionando na tinta, já diluída, 5 a 10% de retardador correspondente ao sistema de pintura utilizado.

    Fonte: http://www.carroantigo.com/portugues/conteudo/info_dicas_pintura.htm

    Tuning

    Tuning (expressão inglesa traduzida como afinação ou optimização) ou car tuning (afinação de carros) é um passatempo que consiste em alterar as características de facto de um automóvel a um nível de personalização extrema. No contexto costuma-se imprimir no automóvel um pouco da personalidade do seu dono; está sendo muito usado para agregar valor desportivo aos carros, tornando-se assim, a arte de dar ao carro mais performance, mais segurança, mais beleza, tornando-o diferente e único. O tuning é aplicável a praticamente todos os componentes de um carro: rodas, pneus, suspensão, alterações no motor, interior, carroçaria, tubos de escape, áudio. Há quem gaste um valor acima do próprio preço do carro com peças e acessórios, como pára-choques, asas, saias, neon, sistemas de NO² (óxido nitroso), etc. Todos estes componentes podem ser revistos de forma a terem um comportamento superior ou um aspecto que torne um carro "de série" em algo exclusivo e único.
    Mas o tuning não deve apenas tornar o carro mais bonito. As alterações feitas, para além de ter preocupações estéticas, devem acrescentar características ao carro de forma a torná-lo mais potente, não desprezando a segurança e o comportamento do carro, sendo estas as características principais a conseguir. Normalmente estas alterações inspiram-se na competição, tendo os campeonatos de Super Turismo Europeu, contribuindo significativamente para a disseminação do Tuning em nível mundial. Lançado em 2001, o filme "Velozes e Furiosos", desencadeou essa tendência pelo mundo inteiro.
    NNTuning: Definição de condutor de grande qualidade, capaz de obter excelentes performances na sua condução.

    Tuning no Brasil

    O desenvolvimento da categoria no Brasil teve maior reconhecimento após o lançamento e consagração pública do filme "Velozes e Furiosos". Até então, a personalização dos veículos era limitada, tanto pela pequena variedade de acessórios e equipamentos disponíveis no mercado, quanto pela própria cultura. Antes da estréia de "Velozes e Furiosos" em 2001, o grande foco eram as competições de som automotivo, sendo a principal tendência automotiva para aqueles que se interessavam por veículos personalizados. Gradualmente, esses admiradores passaram a dispensar uma atenção maior à estética do veículo:
    rodas, saias aerodinâmicas e outros acessórios, entravam na composição da nota dos concorrentes em alguns campeonatos de som, enquanto cada vez mais na arrancada os competidores e patrocinadores preocupavam-se, de forma ainda discreta, com a estética de suas máquinas.
    O marco da história do tuning no Brasil, que também é o marco mundial da consagração do tuning como vertente cultural e atividade econômica, é realmente o filme "Velozes e Furiosos". Após o filme, revistas especializadas em som automotivo e arrancada passaram a dar destaque não só aos veículos "trio elétrico" ou "preparados", e sim àqueles que tinham características da nova tendência que começava a se consolidar, completando o conjunto.
    Gradativamente, essa tendência foi adquirindo espaço, inicialmente de forma isolada por aficionados por automóveis, que transformavam seus veículos em casa, oficinas e lojas de som, com os acessórios disponíveis no mercado, adesivos, e até mesmo peças artesanais. No filme, o principal alvo de transformações são os automóveis esportivos japoneses, como Mazda RX-7, Mitsubishi Eclipse, Honda Civic e Toyota Supra. Os carros possuíam, além da preparação mecânica, adesivos laterais, asas (aerofólios), néon como iluminação noturna, e visual racing (preparação para corridas). E foi exatamente o visual que mais se destacou nos primeiros automóveis que apareceram no Brasil.
    As principais diferenças com relações ao filme, que poderiam ser considerados uma "regionalização" do estilo do filme, ficaram por conta tanto dos veículos quanto do nível de preparação. No Brasil, boa parte dos automóveis tunados tinha motor de pequena cilindrada, e eram modelos compactos. A realidade de "carros populares" se transformou, pelo menos no início, na realidade do tuning, ao menos para a maioria. As alterações mecânicas eram poucas, e como a oferta de peças também era pequena, valia a imaginação. Por isso mesmo, vemos carros que em 2001 eram considerados tuning, hoje totalmente defasados, desatualizados. Hoje, o movimento no Brasil tem mais força, atrai mais investimento, e o mercado é crescente. É possível ver Volkswagen Gol, um carro voltado para o mercado nacional e alguns países da América do Sul, Chevrolet Corsa, que não existe nos EUA, mas é presente no mercado e também é alvo do tuning na Europa, até o Nissan 350Z, um esportivo de ponta, japonês, e um dos maiores ícones do mercado atual.
    Apesar de serem os esportivos japoneses da década de 90 os precursores do movimento tuning como ele é conhecido hoje, o mercado japonês é mais fechado. O estilo JDM (Japan Domestic Market) não é tão divulgado. Apenas conhecedores do assunto tem contato com ele, sabem o que significa. Enquanto no Japão o estilo consagrado pelo filme "Velozes" evoluiu, e muito, para o resto do mundo as tendências são outras. Por vários motivos. Os esportivos japoneses são pouco exportados. O drift, movimento automobilístico lá consagrado, não é difundido em larga escala. Em contrapartida, vê-se a toda hora clipes de música Black, ou Hip Hop, com carrões americanos, todo o ambiente de ostentação, e suas enormes rodas (o estilo DUB). E é aí que se encontra o Brasil: descobrindo seu próprio caminho em meio às vertentes mundiais.
    Os estilos são variados e aumentam a cada dia. Para o japonês, existem o Vip Style, que são carros de grande porte, luxuosos, não necessariamente muito potentes ou novos, e com suspensão muito baixa, ou o JDM, que tem os carros mais parecidos com os do filme, e voltados em grande parte para o drifting.
    Os europeus têm diversos estilos, diferentes de país para país. Alguns países têm projetos semelhantes aos brasileiros, como Espanha e Portugal, Já os adeptos do tuning nos EUA, vêm ditando as regras, graças à qualidade tecnológica, aos grandes investimentos. Mas o principal fator, atualmente, é a ascensão do Hip Hop na música, que espalha para todo o mundo as imagens do estilo DUB.

    O Mercado

    Com o tuning adquirindo espaço nas ruas e na mídia, o mercado passou a oferecer maiores opções desde o setor de auto-peças e acessórios after-market, até o setor de serviços. Já existem lojas e sites especializados no assunto (e são inúmeros), grandes lojas possuem departamentos voltados para esse público alvo, e os fabricantes têm a preocupação do feedback dos clientes. Pode-se dizer que o tuning é uma atividade mais dinâmica que a preparação de motores, pois as novidades aparecem em ritmo frenético, constante, com novos materiais, idéias, e equipamentos a cada dia.

    Fonte: Wikipédia

    VISITE NOSSO SITE!
     

X
Loja Maçônica - Maçonaria
(12) 9729-0531 -
Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 1155 - - Caraguatatuba / São Paulo / Brasil - CEP 764410
Falar com Ir.'. ELIO DO CARMO BUSO - VM e Ir.'. MARCOS - Secr.'.