Os Segredos da Segunda Guerra Mundial
Fonte: MSN Noticias
28/08/2017

 

A Segunda Guerra Mundial foi a primeira experiência da humanidade com a “guerra total”. A guerra brutal de seis anos que enfrentaram a Grã-Bretanha, os Estados Unidos, a União Soviética (URSS) e seus aliados contra a Alemanha nazista, o Japão imperial e seus aliados transformou a Europa e o mundo.
Dezenas de milhões de pessoas morreram, não só em batalhas, mas também em genocídios. Seis milhões de judeus, juntamente com milhões de homossexuais, dissidentes e outras minorias étnicas, morreram em campos de concentração nazistas. Independentemente do lado em que você estivesse – ou se estivesse tentando se salvar – o segredo era essencial.
Historiadores estão apenas começando a decifrar alguns dos grandes mistérios da guerra. Leia mais para descobrir.

2 - A bomba
O programa secreto com as consequências mais devastadoras foi o Projeto Manhattan, que levou à bomba atômica. Cientistas alemães já estavam trabalhando na teoria nuclear na década de 1930. Os Aliados desenvolveram sua própria bomba sob grande sigilo.
Os trabalhadores que falaram sobre o projeto enfrentaram sentenças de prisão de 10 anos. A primeira bomba foi jogada sobre Hiroshima em agosto de 1945, matando mais de 70 mil pessoas. Depois que uma segunda bomba foi lançada em Nagasaki, o Japão se rendeu. Antes de agosto de 1945, poucas pessoas conheciam o potencial catastrófico da bomba.
 
3 - Katyn
A Alemanha nazista e a Rússia soviética encerraram a guerra como inimigos, mas começaram o conflito como aliados. Com o infame Pacto Molotov-Ribbentrop, Adolf Hitler e Josef Stalin concordaram em “dividir” a Polônia conquistada.
Depois que o país foi invadido no início de 1940, mais de 4.400 oficiais poloneses foram executados em Katyn, perto da fronteira da Polônia com a URSS.
Durante décadas, os soviéticos culparam os nazistas pelo massacre – afinal, armas alemãs foram encontradas no local. Um inquérito independente em 1944 culpou os soviéticos, mas os Aliados abafaram o relatório. Somente em 1990 as autoridades russas reconheceram que soldados soviéticos mataram os oficiais, com armas apreendidas dos alemães.
 
4 - Guerra química japonesa
O uso de gás mostarda pelos alemães na Primeira Guerra Mundial mostrou a eficácia da guerra química. Uma unidade militar japonesa secreta fundada no final da década de 1930, a Unidade 731, tinha o objetivo de fazer armas químicas de alta qualidade.
Cerca de 250 mil pessoas, principalmente prisioneiros de guerra chineses, foram submetidas a experimentos médicos em instalações secretas. Aproximadamente 3.000 morreram. Após a rendição do Japão, os EUA concederam imunidade aos pesquisadores em troca dos dados dele, o que foi útil para o próprio programa de armas biológicas dos Estados Unidos.Wikimedia Commons
 
5 - As primeiras ambições de Hitler
Muito antes de Adolf Hitler se tornar Fuhrer, ele sonhava em ser pintor. Ele chegou a vender suas próprias aquarelas nas ruas de Viena.
Ele foi rejeitado duas vezes pela Academia de Belas Artes de Viena por “inaptidão para a pintura”. Por volta dessa época, ele virou sem-teto e começou a explorar as filosofias extremistas que formariam os fundamentos do nazismo.
Se Hitler tivesse sido autorizado a seguir suas ambições artísticas, a história poderia ter sido muito diferente.
 
6 - O mistério da saúde de Hitler
Os historiadores especularam por anos que o comportamento errático de Hitler, especialmente no final da guerra, poderia ter origens médicas. Uma das teorias populares é que ele teve mal de Parkinson, o que poderia explicar suas más decisões tomadas no fim da guerra, bem como tremores e perda de coordenação. Sabia-se que Hitler tomava um coquetel de medicamentos para administrar seu transtorno bipolar, e que um médico injetou nele glândulas de touros jovens para aumentar sua libido.
 
7 - Tentativas de assassinato sofridas por Hitler
Durante a guerra, Hitler sobreviveu a pelo menos quatro tentativas de assassinato, não dos Aliados, mas de dissidentes alemães. Um oficial militar desapontado, Henning von Tresckow, colocou uma bomba no avião de Hitler em uma caixa contendo duas garrafas de Cointreau.
A bomba tinha um fusível defeituoso e nunca explodiu. Tresckow e um grupo de outros oficiais tentaram matar o Fuhrer pelo menos mais duas vezes: uma com uma bomba suicida e outra com uma bomba em uma maleta. Nada funcionou – Hitler tirou sua própria vida em abril de 1945.
 
 
8 - Os homens dos monumentos
Preocupados com saques nazistas da arte europeia, os Aliados criaram uma unidade especial de arquivistas e historiadores para ajudar os soldados a proteger museus e monumentos. Após a guerra, os “homens dos monumentos” viajaram pela Europa em busca de tesouros roubados.
Em 1945, eles encontraram mais de 6.000 pinturas escondidas em uma mina de sal austríaca. Apesar do trabalho árduo deles, milhares de pinturas roubadas pelos nazistas ainda estão desaparecidas. Separadamente, funcionários do Museu do Hermitage (na foto), no que era então Leningrado, trabalharam contra o tempo para evacuar obras de arte, apesar do brutal cerco nazista que causou fome generalizada.
 
9 - General Inverno
Se você é um entusiasta da história militar, você já deve ter lido que as tropas de Napoleão foram bloqueadas em suas trilhas pelo inverno rigoroso da Rússia em 1812. Os nazistas sofreram um destino semelhante. Dezenas de milhares de soldados alemães ficaram presos perto de Moscou quando o inverno de 1941 chegou.
Eles vestiam ainda seus uniformes de verão e enchiam suas jaquetas finas com palha e jornal para aquecer. Mais de 15 mil soldados perderam membros do corpo que foram congelados. A tecnologia da época não ajudou – muitos tanques e jipes alemães não conseguiam dar partida por causa do frio. Os alemães chamaram seu inimigo intangível de “General Inverno”.
 
10 - Fogo amigo
O líder soviético Josef Stalin ordenou que suas tropas lutassem contra “o último homem”. Os batalhões soviéticos especiais ficavam até mesmo posicionados atrás das tropas russas regulares para atirar em qualquer soldado russo que tentasse fugir. Até 150 mil desertores foram assassinados por seus próprios camaradas.
Os soldados soviéticos que se renderam ou foram capturados enfrentaram execução ou prisão ao retornar. Na famosa novela de Alexander Solzhenitsyn, Um Dia na Vida de Ivan Denisovich, o personagem principal foi enviado ao gulag depois de ser capturado pelos alemães.
 
11 - Sem condições de liderar
Os historiadores há muito especulam que a paranoia de Stalin tinha raízes médicas. Um dos médicos do líder soviético parecia acreditar que sim. Em seu diário, pouco depois da morte de Stalin e divulgado em 2011, o Dr. Alexander Myasnikov escreveu: “o maior (endurecimento das artérias) no cérebro, que encontramos na autópsia, deve levantar a questão de quanto essa doença afetou a saúde de Stalin, seu caráter e suas ações ... sua habilidade de discernir o bem do mal e o amigo do inimigo ". Apesar da crueldade do regime de Stalin, muitos russos ainda o reverenciam como líder da guerra.
 
12 - Falantes de código
Um código dos Aliados usado no Pacífico nunca foi quebrado pelo inimigo. Os soldados americanos nativos de Navajo usaram seu próprio idioma para transmitir informações confidenciais ao redor do Pacífico Sul, particularmente durante a Batalha de Iwo Jima. Os falantes de Comanche, Hopi, Seminole e Meskwaki também foram chamados a usar suas habilidades linguísticas. Ironicamente, de volta aos Estados Unidos, as crianças nativas americanas foram forçadas a frequentar escolas onde eram proibidas de falar suas línguas maternas.
 
13 - Linhas de ratos
Milhares de nazistas e fascistas italianos, se apresentando como demandantes católicos de asilo, chegaram em Buenos Aires após a guerra, através de um acordo entre o Vaticano, a Argentina e a Espanha fascista, para onde muitos nazistas haviam fugido imediatamente após a guerra. As rotas de fuga eram conhecidas como ratlines (em português, linhas de ratos). Os pesquisadores acreditam que até 10 mil criminosos e colaboradores de guerra nazistas, incluindo líderes nazistas importantes como Adolf Eichmann e Josef Mengele, acabaram se instalando na América do Sul. Grandes esconderijos de ouro roubado e artefatos nazistas ainda estão sendo encontrados por lá.
 
14 - Síria
Outras linhas de rato levavam para o leste da Síria. Acredita-se que Alois Brunner, comandante do campo de concentração de Drancy na França ocupada, viveu e morou em Damasco até 2007. O Centro Simon Wiesenthal, um instituto de pesquisa internacional conhecido por caçar nazistas, diz ter recebido um relatório “credível” afirmando que ele morreu em 2010 em Damasco. Ele teria 97 ou 98 anos de idade. Em parte devido ao caos causado pela guerra civil da Síria, a data e as circunstâncias de sua morte são desconhecidas, e seu corpo talvez nunca seja encontrado. Ele teria sido um conselheiro do regime ditatorial de Assad.
 
15 - La Résistance
Quando Paris caiu em 1941, muitos franceses seguiram inicialmente o governo dos fantoches pró-alemães instalado em Vichy. O chamado às armas de Charles de Gaulle em 1942 foi ouvido por relativamente poucas pessoas. Em 1943, no entanto, mais e mais homens e mulheres franceses estavam envolvidos com a resistência subterrânea, incluindo guerrilha, sabotagem e espionagem. Espiões transmitiam informações de inteligência em redes de rádio para os britânicos. Essas instalações de rádio foram muitas vezes explodidas, e os operadores de rádio da Resistência tinham uma expectativa de vida de cerca de seis meses. Mais de 27 mil combatentes da Resistência foram mortos.
 
16 - A traição de Jean Moulin
Jean Moulin foi o primeiro líder da Resistência a organizar as unidades de guerrilha dispersas em uma força coerente. Ele e outros líderes da Resistência foram traídos e capturados em 1943. Ele foi torturado por quase duas semanas e morreu sem revelar qualquer informação útil. Em 1988, Lydie Bastien, ex-amante de outro líder da Resistência, revelou que havia traído Moulin em troca de joias roubadas de deportados judeus. Ela usou as joias até sua morte em 1994, depois que seu segredo foi revelado, encerrando décadas de especulação.
 
17 - A Resistência Cajun
Uma pequena mas resiliente comunidade de pessoas que falam francês como primeira língua (os Cajun) habita a parte sudoeste da Louisiana desde os anos 1700. Durante a Segunda Guerra Mundial, os soldados Cajun do exército dos Estados Unidos se passaram por civis em aldeias francesas, ajudando os simpatizantes da Resistência a coordenar e distribuir a assistência americana à Resistência.
 
18 - O outro regimento alemão
Durante toda a guerra, unidades de soldados exilados de países ocupados por nazistas lutaram junto a unidades britânicas, francesas e soviéticas. Pelo menos uma dessas unidades era da própria Alemanha. O militante comunista alemão Otto Kühne liderou 2 mil soldados alemães em batalhas contra os nazistas, ao lado de combatentes franceses da Resistência em pelo menos duas ocasiões em 1944.
 
19 - Purgas
No entanto, o legado dos lutadores heroicos da Resistência foi abalado após a guerra, quando muitos se envolveram em eliminações de suspeitos de colaboração. Após o colapso do governo de Vichy, as forças pró-Resistência executaram quase 11 mil colaboradores suspeitos sem julgamento. Mulheres solteiras que dormiram com soldados alemães, às vezes em troca de comida para suas famílias, foram humilhadas tendo a cabeça raspada na frente de suas comunidades inteiras.
 
20 - Desaparecido e presumidamente morto
O diplomata Raoul Wallenberg era o enviado da Suécia na Hungria ocupada pelos nazistas durante os últimos estágios da guerra. Ele comprou imóveis em Budapeste em nome do governo sueco e usou o recém-adquirido “território sueco” para abrigar milhares de judeus húngaros até que ele pudesse emitir documentos para eles deixarem o país e se instalarem na Suécia. Em janeiro de 1945, quando os soviéticos ocuparam Budapeste, Wallenberg foi preso por suspeita de espionagem e desapareceu posteriormente. Acredita-se que ele tenha morrido sob custódia soviética em 1947, embora seu corpo nunca tenha sido encontrado. A Suécia o declarou legalmente morto em 2016.
 
21 - As bruxas da noite
Embora a maioria dos países aliados tenham mantido membros do serviço feminino na retaguarda, as mulheres soviéticas foram encorajadas a lutar. Motivadas em parte por ideais marxistas de igualdade de gênero e, em parte, pela necessidade desesperada do Exército Vermelho por tropas, as mulheres regularmente se ofereceram para posições perigosas. Lydia Litvyak e Yekaterina Budanova estavam entre os pilotos de caça mais bem-sucedidos da guerra, com cerca de uma dúzia de mortes cada uma. A franco-atiradora Lyudmila Pavlichenko matou sozinha mais de 300 soldados inimigos. Os alemães se referiram às mulheres pilotos de caça como “as bruxas da noite” por causa da aproximação quase silenciosa de seus pequenos aviões.

Fonte: MSN Noticias


X
Loja Maçônica - Tradição em cuidar! A casa tem servido os Mestres Maçons e suas esposas e viúvas em São Petersburgo desde 1902.
Phone: 727-822-3499 | Toll Free: 866-868-6749 -
3201 1st Street NE , St. Petersburg, FL 33704 - Flórida - USA - - São Paulo / São Paulo / Brasil - CEP
Falar com Lisa Tsotsos, Administradora